terça-feira, 13 de setembro de 2016

SEPTOPLASTIA, RINOPLASTIA E TURBINECTOMIA - PARTE 4

E então, eu acordei. Senti retirando o tubo de respiração da minha boca mas nada desesperador, não senti nenhuma dor. Vi uma movimentação de pessoas, mas nada nítido, já que meus seis graus de miopia não deixaram.


Eu estava meio grogue, me falaram que já tinha acabado, que tinha sido tudo certo e que eu já iria para o quarto. Acho que foi meu médico, mas confesso que não me lembro rs. 



A previsão de duração da minha cirurgia era de quatro horas. Das 07h às 11h, mas não era nem 11h e eu já estava no quarto, ou seja, ela acabou bem antes porque ainda passou o tempo de "volta"da anestesia também.



Cheguei ao quarto e lá estava meu digníssimo marido me aguardando e essa era eu.


De ladinho

De frente

Gente, foca no nariz e não nessa cabeleira. Eu nem vi essas fotos sendo tiradas, eu estava sob efeito da anestesia ainda. Bem quietinha. Esse negócio em cima do nariz é como se fosse uma plaquinha de plástico, para fazer função de gesso mesmo, afinal, meu nariz foi quebrado e refeito rs. Então é uma proteção mesmo, não dói, nada, zero. E embaixo é só gaze com esparadrapo porque escorre um pouquinho de sangue.

Agora vamos ao que interessa. Sentiu dor? Não! Nenhuma gente, zero mesmo. A cirurgia foi incrivelmente perfeita, não senti nada, não acordei no meio como a gente vê por aí... 

Eu fiquei no hospital até a noite e saí no mesmo dia. Isso mesmo, não precisei dormir no hospital.
Meu médico tinha viajando mas deixou um outro médico que deixou remédio para dor e também os remédios para cicatrizar, remédio para limpar o nariz, e orientações. 

Depois eu coloco isso detalhado aqui, por enquanto, voltem nas fotos e observem minha cara de pós operatório hahahaha.

terça-feira, 6 de setembro de 2016

SEPTOPLASTIA, RINOPLASTIA E TURBINECTOMIA - PARTE 3

Eu tive que assinar um documento chamado de TERMO DE INFORMAÇÕES PRÉ CIRÚRGICAS, como se fosse um manual de orientações mesmo, que é onde constam os riscos da cirurgia. Sim, temos riscos, toda cirurgia tem.  Fala das cicatrizes, fala do inchaço, muitas dessas informações a gente encontra na internet, mesmo porque é a mesma coisa para rino ou septo, ou qualquer cirurgia no nariz.

Aí foi quando eu descobri que não seriam duas cirurgias em uma e sim três em uma.

Seria RINOPLASTIA, que é a cirurgia plástica; SEPTOPLASTIA, que é a cirurgia que corrige o desvio de septo e a TURBINECTOMIA BILATERAL, que é a cirurgia usada para ajudar a aliviar a congestão nasal crônica.

Eu havia escolhido o Hospital Santa Helena, um dos maiores e mais respeitados hospitais da cidade, apesar de ser antigo.

E chegou o dia da cirurgia. A orientação era de que eu deveria ser internada às 06h e a cirurgia estava marcada para as 07h.

Fiz um jejum de oito horas, sem água ou qualquer alimento e se tivesse tomado algum medicamento neste meio tempo, deveria informar na internação. O jejum de bebidas alcoólicas é de 24 horas.

Pediram para que eu fosse acompanhada para a cirurgia como se a minha família inteira não fosse participar. Estavam eu, marido, irmã, mãe e pai! Galera em peso comparecendo ao evento.

Também pediram para não levar nada de valor para o hospital, retirar piercing, esmaltes coloridos, maquiagem, protetor solar, nada disso pode.

E claro, levar toda a documentação, a autorização da cirurgia, todos os exames solicitados, isso é muito importante porque eles usam todos eles durante e cirurgia.

É claro que eu cheguei às 05h30 da manhã e achei que o hospital estava fechado. Não tinha ninguém na recepção, apenas no pronto socorro e ainda tinha chovido, tinha até umas goteiras.

Mas não demorou muito, antes das 08h me aparece um enfermeiro com uma cadeira de rodas e me leva. A ansiedade estava a mil por hora, já estava era com dor de barriga e a cadeira de rodas me fez ficar mais nervosa. É procedimento padrão, é para evitar que a pessoa que ficou de jejum passe mal e etc.

Aí me levaram para uma salinha onde pediram para que retirasse toda a roupa e ficasse com a camisola rosa deles. Graças a Deus amém, não era a roupinha que deixa o bumbum de fora, neste caso me deram uma camisola que a amarração era na frente.

Aí coloquei a camisola, sem nenhum brinco, até dos furos de cima, com os sapatinhos deles e sem óculos. Aí fiquei realmente agoniada, porque são seis graus! Enxergando zero e ansiosa!

Logo a enfermeira veio me buscar e me levou pra sala de cirurgia, eu falei que não enxergava direito pra ela me acompanhar e deu tudo certo.

Cheguei na sala, tinha uma outra moça também que agora não me lembro o nome de ninguém, todos se apresentaram, foram muito cuidadosos, me colocaram na mesa e era só esperar.

Chegou o anestesista também se apresentou, não lembro muito bem, mas deve ter feito alguma piadinha, enfim...

E logo me chega o médico. Ai Deus que ansiedade, só de escrever eu já sinto tudo de novo.

Antes da cirurgia vamos ver algumas fotos de como era antes:


Não foca nas olheiras.

Só foca no nariz.

Opa, essa ficou bonitinha.




Viram que meu nariz era torto e estranho? De perto era pior RS. Mas nada demais.


E o médico chegou, conversando, pediu pra colocar uma música, que não lembro qual era, e já pensei no Derek e na Meredith de Greys Anatomy, eu os vi colocando os eletrodos, vi colocando aquela máscara perto de mim e disse que aplicariam a anestesia. Eu estava simplesmente olhando para o teto, não enxergado nada e pedindo pelo amor de Deus pra começar logo. Eu estava quase chorando de ansiedade. Disso eu me lembro muito bem, e só. Puft, apaguei.


quinta-feira, 1 de setembro de 2016

SEPTOPLASTIA, TURBINECTOMIA E RINOPLASTIA - PARTE 2

Exame feito, era uma tomografia computadorizada dos seios da face e retorno ao médico já estava marcado.

A conclusão foi que eu não tinha apenas um desvio de septo: "Discreta sinusopatia maxilar esquerda associado ao esporão septal. Acentuado desvio do septo nasal para esquerda".

Olha aí o motivo de acordar sufocada no meio da noite, eu não respirava direito.

Palavras do médico: Você tem que fazer a cirurgia. Não é uma cirurgia de emergência, porém se você preza pela qualidade de vida, quer dormir a noite inteira, viver melhor sem fazer uso de medicamentos que podem te prejudicar a longo prazo, você tem que fazer a cirurgia de desvio de septo. E aí você aproveita e faz a rinoplastia e corrige as imperfeições que tem no nariz.

Saí de lá apavorada. Fiz o orçamento para a cirurgia (os planos de saúde cobrem apenas a septoplastia, a rinoplastia não) e fui embora.

Confesso que não pensava em cirurgia nessa época, sempre me achei nariguda, nariz meio torto, tá que de uns anos para cá, com a rinite se agravando eu coçava demais o nariz e um osso (do lado esquerdo) foi estufando, mas só eu via. Eu uso óculos então nem dava muita atenção. O que me incomodava eram os constantes espirros e coceiras. Não pensava nisso como um incômodo digno de cirurgia, pensava era em colocar peitcholas se fizesse cirurgia plástica em algum momento da vida rs.

E aí começou a LEREIA. Fazer ou não fazer, investir ou não. O marido foi enfático: faz, se é para sua saúde, se é para o seu bem faz. Claro né, ele acordava toda noite comigo sufocando rs.

Faz contas aqui, puxa daqui, estica dali e fiquei quase um mês decidindo isso. Difícil né gente? Um dinheiro que nós não estávamos preparando para gastar dessa forma, estávamos era querendo terminar os armários do nosso mini apê que até hoje está sendo feito.

Eu queria fazer, mas eu estava MORRENDO de medo, literalmente. Eu não gosto de agulha, eu não gosto de hospital, eu não gosto de exames, enfim. Era pavor que eu sentia mesmo, coitada. E aí a gente vai procurar na internet e só encontra coisas mais apavorantes ainda. Era cada foto que eu encontrava, cada cara roxa parecendo que foi espancado, que meu medo só aumentava.

E o medo não era só disso. O negócio era que se ele já ia mexer no meu nariz, ele ia arrumar ele, porque eu não tinha a menor intenção de passar por isso de novo, então  se tá na chuva, se molha logo, se vai sofrer, que sofra de uma vez só. E ainda vem mais, e se isso ficar feio? Afinal, é o rosto, é a cara!!! Meu Deus, não sabia do que eu estava com mais medo. Nunca fiquei internada, nem tomei soro, nem nada disso, nem ponto eu já tinha levado. Sabe o medo do desconhecido? Desnecessário ou não, ele existia.

E esse sofrimento todo e eu nem tinha decidido ainda rs. Então vamos decidir, parar de sofrer e de se entupir de remédios? Vamos!!

Fiquei meio desconfiada da indicação cirúrgica do médico, mesmo o desvio sendo gigante na tomografia, qualquer um veria. Aí, eu pedi para minha mãe marcar uma consulta com ele, ela também tem desvio e nariz torto e pensamos se ele ia ou não indicar cirurgia neste caso. Um tempinho depois ela marcou consulta e lá foi ela, fez exames e tudo, e o desvio dela é mínimo e ele não indicou a cirurgia. Disse que como ela não tem rinite nem nenhuma doença que incomode ele não indicaria. Porém, se ela quisesse corrigir o nariz, aí ele aproveitava a cirurgia. Ponto para o médico.

Decidida, voltei ao médico e ele me tranquilizou muito, me mostrou mais umas mil fotos, me falou dos benefícios novamente, tirou foto do antes e marcamos a data da cirurgia para 27 de novembro de 2015. Meu desespero já tinha começado e estávamos a uns poucos meses do dia D.

Preferi mais para o final do ano porque aqui em Goiás é muito quente e nesse período o tempo jã de uma amenizada e imagina um nariz que ia sofrer no pós operatório nessa cidade quente! Além disso, eu teria tempo suficiente para me organizar nos meus dois trabalhos, afinal são duas licenças médicas.

Exames e orientações pré operatórias solicitados: hemograma completo, coagulograma, glicose, creatinina e eletrocardiograma.

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

SEPTOPLASTIA, TURBINECTOMIA, RINOPLASTIA - PARTE 1


Bora ressuscitar o blog gente! Mais de um ano sem postar, mas tudo tem sua hora não é mesmo?

Finalmente decidi registrar como foram as cirurgias que fiz no final do ano passado, novembro de 2015. Não fiz antes por pura preguiça, eu confesso,mas to aqui, agora vai. Eu decidi relatar porque quando você procura na internet sobre o assunto não encontramos muito sobre a cirurgia de septo, que foi a principal. Encontramos apenas de rinoplastia e uma coisa não tem nada a ver com a outra. E a gente procura. Queremos chegar na cirurgia sabendo tudo e esquecemos que nossa melhor fonte é o médico.

Enfim, as cirurgias foram: SEPTOPLASTIA, TURBINECTOMIA e RINOPLASTIA.

Mas antes de nos aprofundarmos, vamos contextualizar:

Sempre sofri com uma forte rinite alérgica que eu (e todo mundo) julgava ser uma gripe eterna que nunca passava. Sempre me dopei com analgésicos e remédios para gripe e nunca foi gripe! Já tomei vários tipos e modelos e nada fazia efeito, nem naldecon, nem benegrip, nem nada. Enquanto todo mundo falava que eram remédios fortes e era só tomar que ficavam moles e sonolentos, eu nunca sentia era nada. E que coisa mais incomoda é aquela espirração, chupação de nariz, coisa nojenta que só. 

Em maio de 2014 fiz plano de saúde mais preocupada em ter filhos no futuro do que tratar alguma doença. Porém como já estava cansada de ouvir “nossa você vive gripada” e dar dez espirros de uma vez só, além de ter histórico de labirintite na família, decide consultar com um otorrino.

Fui, fiz exames não muito agradáveis para descobrir se tinha ou não labirintite e sim, descobri que não tenho. O motivo das minhas tonturas era “inflamação no líquido do ouvido”. Ok, não entendi, mas o médico receitou Decadron, Desalex e Avamys.

Pausa para a observaçao, receitou para mim, eu somente eu. Nada de automedicação por favor!

Problema resolvido e vida que segue!!

Só que não!! Tive aproximadamente seis meses de alívio na rinite. Porém, continuava com dificuldades para dormir, dores de cabeça, coceira e espirros e tudo igual etc.

Depois desse período, tudo voltou a acontecer. Dores de cabeça que nunca passava, dores de ouvido e ouvido coçando tanto que a minha vontade era de “arrancar” ele fora, nariz coçando que eu realmente quase o deslocava mesmo de tanta coceira. E isso me incomodava e eu sei que incomodava as pessoas que estavam à minha volta.

Como eu não gostei muito do atendimento do otorrino que me atendeu da primeira vez, achei muito desatencioso e “teórico” demais, resolvi procurar outros especialistas. Comecei a conversar sobre este assunto com algumas pessoas e me lembrei de uma amiga que precisou fazer uma cirurgia no nariz e tinha rinite, sinusite e todos os ites possíveis. Pedi o contato do médico e lá fui eu marcar a consulta.

Fomos na consulta (eu e o marido) e foi bem legal, fiz a mesma reclamação que havia feito para o primeiro otorrino e ele fez um exame clínico, que o primeiro otorrino não fez e ali mesmo ele já viu que eu poderia ter desvio de septo.

Ele me passou desalex novamente mas não era o mesmo, era outro tipo e o Avamys. Mesmos remédios do anterior. E aí eu fiquei encucada porque então o outro tinha sido bom já que me receitaram os mesmos remédios...
Porém, este  médico me passou uma tomografia para descobrir (ou confirmar) se eu realmente tinha desvio de septo e qual era o tamanho deste desvio.

Ok, voltei pra casa e lá vai eu tomar os medicamentos de novo e corretamente dessa vez né? Porque ir ao médico todo mundo vai, agora seguir a receita ninguém quer né? Depois de feitos os exames voltamos ao médico.

E foi aí que tudo começou!